terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Conselhos ao estudante de Física

Estas dicas se destinam para quem está cursando bacharelado em Física e possui habilidades normais. São conselhos que eu acho que teriam sido úteis para mim.

Embora as notas de aula de uma disciplina, que geralmente consistem em um caderno (ou fotocópia de um) que espelha o quadro-negro, contenham aquilo que o professor mais dá valor, com o viés que deverá ser cobrado em prova, para a carreira do estudante é muito importante ler os livros-texto. Para eleger um livro, um bom caminho é optar por aquele com mais críticas positivas na Amazon americana (nota boa e relativamente grande quantidade de avaliações). Os livros bem avaliados costumam ser os mais didáticos e inspiradores. Com eles, será possível ter uma fonte de referência que vai durar por mais tempo que o caderno, e além disso há a tendência de ser um material mais completo, já que o professor muitas vezes seleciona apenas alguns tópicos.

É prudente também evitar desviar muito os estudos para outra área de interesse. Quem pretende se engajar na pesquisa acadêmica será prejudicado se estiver frequentando simultaneamente outro curso de graduação, ou então se dedicar tempo demais estudando temas como economia, bolsa de valores, filosofia, etc. Cada um destes assuntos é bastante profundo, de forma que em uma vida não é possível abarcar tudo - isso para quem não tem a intenção de ser um generalista (que sabe de tudo um pouco), mas sim pretende ser um especialista (saber muito, mas de um tema específico). Uma site interessante que trata da dicotomia quantidade/qualidade é do Cal Newport (talvez os livros dele sejam mais completos - 1, 2).

Os cientistas de ponta, que realmente fazem progresso, costumam estudar várias horas por dia. Portanto, quem se contenta apenas com as aulas e o esforço suficiente para uma boa nota na prova está sendo ultrapassado por diversos alunos ao redor do mundo que, durante a graduação, procuram se aprofundar mais. Por exemplo, que tal ler detidamente todo o Feynman Lectures on Physics? É o mesmo assunto que já é ensinado, mas provavelmente visto de outra forma. Demanda tempo e calma na leitura, mas certamente irá solidificar os conceitos. Na verdade, o estudo nunca será o bastante, pois a questão não é o quão completas serão as habilidades de alguém ao concluir sua graduação, mas sim o quão incompletas. Por isso, dentro do saudável, não existe limite máximo para o quanto se deveria estudar os fundamentos.

Para produzir motivação e expandir os horizontes, são proveitosos os textos de divulgação científica. Locais como Arstechica trazem matérias com o estado da arte de algumas áreas da Física, explicando os recentes artigos científicos de uma maneira acessível. Além disso, há muitos livros que são uma ótima fonte de estímulos ao mostrar o desenvolvimento de cientistas, como os excelentes O senhor está brincando, sr. Feynman! e A parte e o todo. Alguns livros interessantes de divulgação científica: O andar do bêbado, O universo elegante, A realidade não é o que parece.

Para as questões que alguém possa ter vergonha de perguntar, por parecerem básicas demais (como por exemplo - é possível que o espaço-tempo se expanda mais rápido que a luz?), existem os fóruns na internet com respostas muito didáticas. Por exemplo, Stack Exchange. Nestes lugares encontra-se muita coisa inútil, mas em geral as informações importantes recebem muitas avaliações positivas, e acabam se destacando. Existem diversos canais no Youtube que mostram muita coisa em pouco tempo, como o Veritasium.

Da leitura dos parágrafos anteriores, percebe-se como é importante conseguir ler textos em inglês. Quem pretende ser um pesquisador em Física em algum momento terá que ser fluente na leitura. E conseguir a fluência é um processo trabalhoso, que demanda muitas de leituras mal compreendidas, até que se consiga entender um texto técnico rapidamente. Por isso, quanto antes se começar, mais cedo serão colhidos os benefícios, já que a escalada do aprendizado terá que ser encarada em algum momento.

Física experimental vs. física teórica - é comum já na graduação ter predileção por uma das áreas. No primeiro caso, diminui-se a atenção para as deduções algébricas e demonstrações. No segundo, dá-se menos valor para as técnicas de análise de erros, ou para as soluções numéricas. Entretanto, é preciso conhecer profundamente todas estas áreas (nos limites da graduação), pois pode-se descobrir alguma vocação inesperada. Ou ainda, conhecimento de uma delas pode influenciar na solução de problema de outra. Afinal, num acelerador de partículas não há físicos experimentais programando computadores, analisando dados estatísticos, calculando analiticamente se é possível que determinado equipamento cause determinado efeitos nos resultados? E um físico teórico não precisa enumerar os efeitos verificáveis de uma determinada teoria, dentro dos limites experimentais disponíveis?

Mesmo quem futuramente resolver mudar de área e tentar uma eventual carreira no mercado financeiro (ver Early Retirement Extreme, ou algum blog sobre "Quants"), em geral só terá as condições necessárias para o sucesso se estiver disposto a uma imersão total nas matérias estudadas na graduação, pois na prática o que importa é saber enfrentar problemas em aberto, ter a visão do todo, conseguir relacionar diferentes áreas do conhecimento, construir a persistência para ler artigos científicos, etc.



Why did I enjoy it? I used to play with it. I used to do whatever I felt like doing - it didn't have to do with whether it was important for the development of nuclear physics, but whether it was interesting and amusing for me to play with. When I was in high school, I'd see water running out of a faucet growing narrower, and wonder if I could figure out what determines that curve. I found it was rather easy to do. I didn't have to do it; it wasn't important for the future of science; somebody else had already done it. That didn't make any difference. I'd invent things and play with things for my own entertainment. (...) I still remember going to Hans Bethe and saying, "Hey, Hans! I noticed something interesting. Here the plate goes around so, and the reason it's two to one is ...'' and I showed him the accelerations. He says, "Feynman, that's pretty interesting, but what's the importance of it? Why are you doing it?'' "Hah!'' I say. "There's no importance whatsoever. I'm just doing it for the fun of it." - Richard Feynman

I wanted the reward and not the struggle. I wanted the result and not the process. I was in love with not the fight but only the victory. And life doesn't work that way. - Mark Manson

There are two domains, the ludic, which is set up like a game, with its rules supplied in advance in an explicit way, and the ecological, where we don't know the rules and cannot isolate variables, as in real life. Seeing the nontransferability of skills from one domain to the other led me to skepticism in general about whathever skills are acquired in a classroom, anything in a non-ecological way, as compared to street fights and real-life situations. (...) We accept the domain-specificity of games [like chess], the fact that they do not really train you for life, that there are severe losses in translation. But we find it hard to apply this lesson to technical skills acquired in schools, that is, to accept the crucial fact that what is picked up in the classroom stays largely in the classroom. Worse even, the classroom can bring some detectable harm. - Nassim Taleb


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Compatibilismo (Compatibilism)

Na novilíngua de Orwell existem palavras como "negrobranco"; que tal adicionar determinismolivrearbítrio?

In Orwell's newspeak there are words like "blackwhite"; how about adding determinismfreewill?